Gerir um negócio é uma tarefa complicada, é necessário ter uma visão ampla de toda a empresa.

Uma das ferramentas que auxiliam nesta gestão é o Fluxo de caixa. Ter uma visão apenas do que está sendo vendido traz uma visão deturpada dos resultados da empresa.

No dia a dia operacional de uma empresa, a organização financeira é primordial e essa organização é o fluxo de caixa. Por isso é importante entender o que ele é e como ele irá ajudar no controle e na organização do seu negócio.

O que é fluxo de caixa?

Fluxo de caixa é uma ferramenta de controle financeiro. Com ela visualizamos todas as entradas e saídas monetárias, tendo assim uma visão generalista do negócio. Com o fluxo de caixa a empresa consegue ter a noção exata do quanto está gastando ou ganhando em cada uma das áreas ou produtos da empresa.

Para se ter um controle de fluxo de caixa eficiente é importante registrar os ganhos e gastos da sua empresa, com uma visão diária, semanal ou mensal.

Realizando um fluxo de caixa eficiente é possível contar com uma base de dados real, auxiliando na tomada de decisão do proprietário ou gestor financeiro, tendo assim, uma visão completa da saúde financeira da empresa. Com isso você poderá ter uma visão de presente e futuro da empresa

Tipos de Fluxo de Caixa

Existem métodos de fluxo de caixa: todos eles possuem seus pontos positivos e negativos, cabe você entender o que faz mais sentido ao seu negócio.

Fluxo de caixa operacional

Neste caso, o fluxo é gerado pelas receitas e despesas de uma empresa por um período de tempo determinado. O fluxo de caixa operacional indica quais foram os resultados e a variação de capital de giro, ou seja, o volume à disposição no caixa para operar o negócio.

Este é o método mais simples, porque o fluxo de caixa operacional demonstra apenas o faturamento da empresa e não conta com investimentos ou obtenção de capital de giro.

Sendo assim, é um método simples e efetivo, mas não demonstra um nível de detalhamento.

Fluxo de Caixa Projetado

Todas as empresas pensam em evoluir e o fluxo de caixa projetado nos traz uma uma estimativa de evolução do negócio. Calcula-se com base nos resultados alcançados nos meses anteriores. Assim, cria-se uma projeção de quais serão as despesas e receitas em um determinado período futuro.

Assim é possível ter uma visão média de entradas e saídas, tornando-se possível planejar novos investimentos ou até mesmo retrair os gastos.

Se bem utilizado, o Fluxo de Caixa projetado pode se tornar um grande aliado competitivo da empresa.

Fluxo de Caixa livre

Para quem precisar medir a competência que um negócio tem de gerar capital a curto, médio e longo prazo, o Fluxo de Caixa Livre é a melhor opção.

Para montar o fluxo de caixa livre é preciso ter ao menos dois relatórios:

  • Fluxo de caixa que seja capaz de demonstrar os resultados obtidos em um período de 60 e 90 dias
  • Fluxo de Caixa com estimativa de receitas e despesas de um período de dois a cinco anos. 

Com o saldo de comparação do Fluxo de Caixa Operacional você pode medir a capacidade de gerar capital em curto, médio e longo prazo.

Fluxo de Caixa Indireto

Neste caso, o cálculo é feito em cima dos lucros e prejuízos dos números indicados no Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE). Não se baseando necessariamente no Fluxo de caixa, por isso o nome de “indireto”.

Neste caso não é necessário ter um controle específico sobre o fluxo de caixa, se baseando somente nos balanços patrimoniais, do ínicio ao final do ano.

Fluxo de caixa descontado

Popularmente conhecido como FDC, o fluxo de caixa descontado é usado para indicar o valor de uma empresa. 

O cálculo se baseia a partir das projeções do fluxo de caixa, abatendo-se as taxas de risco e as depreciações.

Como fazer um fluxo de caixa

Para criar um fluxo de caixa é importante ter ciência de um regra: Registre todos os valores recebidos e gastos pela empresa.

Vamos desenhar um passo a passo para você seguir

Passo 1 – Registre suas movimentações

Registrar entradas e saídas da sua empresa deve se tornar um hábito, assim você terá um controle efetivo da sua empresa.

Nenhum centavo deve ficar de fora da contagem, absolutamente tudo deve ser registrado.

Assim você impede buracos no orçamento da sua empresa.

Passo 2 – Categorize despesas e receitas

Como dito acima, todas as informações devem ser registradas, mas categorizar esses valores é tão importante quanto para a sua organização financeira, tornando a análise mais simples.

Pode se separar custos fixos e custos variáveis, assim você consegue dimensionar onde estão os maiores gargalos de gastos e por quais são os melhores canais de entradas.

Passo 3 – Projeção de futuro

Ao estruturar o seu fluxo de caixa por pelo menos um mês, é possível fazer projeções para os meses subsequentes em relação às entradas e saídas tendo como base um valor médio.

Ou seja, o quanto antes você se organizar, mais rápido você terá dados para pautar o financeiro da sua empresa.

Antecipação de recebíveis no fluxo de caixa

Organizar é a palavra de ordem nos departamentos financeiros das empresas, mas mesmo assim, muitas vezes, a conta não fecha.

Uma alternativa muito utilizada pelas empresas é a antecipação de recebíveis, onde se recebe no ato, vendas com recebimento futuro, aliviando o caixa momentaneamente e ajudando também na organização financeira da empresa.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email